domingo, 5 de dezembro de 2010

Música 'Minha mulher não deixa não' é plágio da 'Turma do Zé do Alegria'

Jefferson Xavier
Blog do Jex


O vídeo mais visto no Youtube até o momento ‘Minha mulher não deixa não’ do DJ Sandro, o Moral de Paulista está sendo acusado de plágio pela 'Turma do Zé Alegria'. A música original se chama “Minha mãe não deixa não” e foi gravada e registrada pela Fundação Biblioteca Nacional em 2006 em Recife.

O vídeo original foi postado no Youtube pelo usuário e autor da música Marco Shele no dia 1 de outubro de 2007 que nos escreveu informando da imitação principalmente do refrão da sua canção e que serão tomadas as devidas providências na justiça.

A versão que virou fenômeno nas últimas duas semanas na internet é um clipe caseiro gravado por 4 rapazes na praia de Paulista, Município da Região Metropolitana do Recife na voz do Dj Sandro.

Aproveitando o sucesso da música as bandas "Aviões do Forró" e "Saia Rodada" também já gravaram o hit em ritmo de forró.

A Turma do Zé da Alegria são bonecos de fantoches utilizados para evangelizar crianças.

Vejam agora as duas versões e compare as semelhanças que existem entre elas.

Turma do Zé do Alegria

Versão 2010

2 comentários:

james disse...

Para caracterizar plágio, é necessário haver disposição harmoniosa, de melodia ou de letra de forma que apresente na íntegra, ou parcialmente, cópia da oba original. No caso em questão, não pode ser caracterizada cópia por características semelhantes no usufruto de termos cotidianos da língua portuguesa, mesmo que em frases ainda que sequenciadas. Portanto para provar plágio é preciso que um semi-deus da advocacia atue na acusação. E caso um juiz doido o dê ganho de causa, abrirá precedentes para que abra-se processo contra músicas que utilizem termos fraseados semelhantes como por exemplo: "nunca esqueça o quanto eu amo voce" e por aí vai...

José Rafael disse...

Mas qual é o problema??? Se os bonequinhos ^têm como objetivo educar atraves do refrao, simplesmente o Dj aprendeu a liçao, kkkk..

posso nao, posso nao...